Porque não votar no Marcelo Freixo para o prefeito do Rio

O Brasil vive uma de suas piores crises econômicas, mérito do PT e seus 13 anos de populismo, gastos desenfreados, um Estado aparelhado, muita corrupção, incompetência e um fascínio pelo socialismo. O resultado prático é desemprego, inflação (tudo mais caro) e falta de poder de compra nas camadas mais pobres da população.

Mas como diz o ditado: “Pior que o original, só a cópia“. E o PSOL é uma xerox do Partido dos Trabalhadores. O próprio nome do partido é uma afronta à inteligência alheia: “Socialismo e liberdade“. Seria algo como ‘Partido Água e Óleo’, não se misturam. E não se trata de uma divergência de pensamento, trata-se de fazer uma análise — que pode ser breve ou profunda — sobre os fatos históricos e o que o socialismo fez contra milhões de seres humanos. Atentando mortalmente contra a liberdade. Os psolistas atentam também contra o Brasil ao apoiarem o PT, dizendo da forma mais cínica do mundo que defendem a “democracia”.

A ideologia que Freixo, Jean Willys, Chico Alencar e similares defendem deseja com ardor um Estado ainda mais presente em nosso país. Imaginem a corrupção conhecida e desconhecida em todas estatais multiplicada por 100. Não bastando isso, imaginem ainda mais cabides de emprego, mais leis, mais normas, mais impostos, mais burocracia, mais cumplicidade — e aqui talvez o ponto mais importante no caso específico do Rio de Janeiro — com todos os tipos de criminosos e tolerância com o desrespeito às leis. Se você quer tudo isso no Rio de Janeiro, vote em Freixo.

E para deixar claro que já aprenderam com seus ídolos, Lula e Dilma, ambos defendidos sempre com paixão e “imparcialidade”, Freixo e aliados já começaram quebrando as regras do jogo, fazendo campanha em época proibida, motivo pelo qual o TRE (Tribunal Regional Eleitoral) vai entrar com ação por propaganda antecipada e captação irregular de recursos. Na pior das hipóteses ele será multado. No entanto, nós, pagadores de impostos, bancamos algo chamado “fundo partidário”, que é uma grana dividida por todos os partidos. E assim, eu, que escrevo este texto, e você, que o lê, acabaremos pagando pela eventual multa do candidato. É ou não é fantástico o que o Estado pode fazer com nosso dinheiro? E eles querem mais.

Freixo é um candidato que atrai a juventude. Sei porque eu mesmo já fui seu eleitor em tempos não tão distantes. O achava honesto, correto, íntegro, inteligente, “moderno” e diferente dos demais políticos, vejam a ingenuidade. Muitos cometem o erro de confundir honestidade pessoal — me refiro a não roubar dinheiro público — com honestidade ideológica. E neste ponto todos que leem 10 linhas sobre o socialismo e mesmo assim se filiam e se elegem pelo PSOL são culpados. Continuo achando que Freixo não roubaria um real do pagador de impostos, ao contrário de Lula, mas o mal que ele é capaz de fazer ao Rio de Janeiro — uma cidade destruída por anos de populismo da aliança PMDB-PT, que o candidato apoiou direta e indiretamente nas últimas eleições, ainda que sempre afirme fazer uma “oposição mais à esquerda”– é inimaginável.

É preciso que o brasileiro volte — se é que o fez em alguma época — a analisar com frieza as contradições dos candidatos. E acabo onde comecei: será que depois de comprovado o quão terrível é o Estado como gestor de nosso dinheiro, de como a corrupção é amiga íntima das estatais, de como o capitalismo de comadres é um câncer para o Brasil, de como o socialista detesta a liberdade e não tolera opiniões alheias, de como a conivência com o erro e o discurso de “sociedade é culpada” por todos criminosos, ainda assim um candidato como Freixo terá forças? Ou será que as redes sociais conseguirão destituir o candidato que a imprensa “descolada” tenta e tentará nos empurrar goela abaixo como o paladino moral e ético enviado para nos salvar?

O Rio de Janeiro dará uma chance ao “socialismo e liberdade”?

O Rio de Janeiro dará uma colher de chá ao Estado ainda mais obeso?

Os jovens do Rio de Janeiro vão cair nesta armadilha, mesmo com todas informações disponíveis na internet?

Votar em Freixo é votar em tudo que já se mostrou falido e atrasado no Brasil e no mundo. Espero que ele continue apenas como deputado estadual, onde ganha R$25.322,25 do mais puro vil metal capitalista.

__________________

Autores:

João Ferreira, jornalista, músico, empreendedor e botafoguense.

Um comentário em “Porque não votar no Marcelo Freixo para o prefeito do Rio

  • agosto 18, 2016 em 14:57
    Permalink

    Não gostei do artigo. Esse texto além de ser completamente tendencioso não traz informação nenhuma, somente pitacos. Não vejo nenhum comparativo com outros candidatos e, como se eu estivesse em outra época, fico lendo esse típico maldizer sobre o socialismo e glorificação do santo capitalismo.
    Pra mim esse texto é desinformativo, ultrapassado e vazio. Parece mais que eu perdi o meu tempo.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *